Nem Sempre Zen®

Shadow Work | Desenvolvimento Pessoal | Espiritualidade

O lado sombra das Runas existe?

 

O lado sombra das Runas existe?

Há quem diga que sim. Outros sugerem que isso é uma interpretação recente e que nada tem que ver com a forma como as Runas eram vistas originalmente.

Na verdade, quase todos os académicos sequer olham as Runas como símbolos mágicos, defendendo a ideia de que são apenas mensagens tipo jornal das coscuvilhices e informações da terra:

“hoje há saldos na peixaria da Marika!” ou “o Karl é um ganda nabo!”.

 

 

Histórias passadas de boca em boca

 

As tradições nórdicas eram passadas oralmente, e como quem conta um conto acrescenta um ponto, há muita informação que se perdeu ao longo dos tempos.

Só depois da invasão do cristianismo é que se começou a usar a escrita e a anotar algumas coisas, mas já muito conspurcadas pela visão da igreja cristã. Por esse motivo não há certezas sobre a sua mitologia [nórdica], nem tão pouco sobre o uso das Runas.

 

 

As Runas como ferramentas oraculares e a modernidade do lado sombra

 

Algures no tempo, sabemos que as Runas começaram a ser utilizadas como ferramentas de oraculares, de divinação e orientação para as aflições quotidianas: problemas com as colheitas, com o gado, com as tempestades que assolavam a região, etc, mas não são conhecidas formas concretas de uso dos símbolos para este efeito.

Os xamãs nórdicos eram figuras de relevo na sociedade e eram eles que estavam encarregues de se iniciarem nos estudos mágicos e na utilização das Runas enquanto símbolos divinatórios para depois poderem acolher as preocupações das pessoas e orientá-las da melhor forma.

Assim sendo, como em tantas outras áreas, como o Tarot por exemplo, foram sendo criadas formas de “jogar” as Runas de acordo com a imaginação, a intuição e o estudo de cada pessoa.

 

Podemos imaginar que cada um seria influenciado pelos seus gostos pessoais, experiência de vida, e tradições tribais da sociedade em que estavam inseridos.

 

No inicio do século, com o advento da psicologia analítica de Carl Jung e o conhecimento da teoria dos arquétipos, nos quais se inclui a sombra, começou a usar-se essa interpretação em várias temáticas.

A magia e o ocultismo não ficaram atrás, pelo que o uso das Runas como símbolos oraculares e a versão do seu lado sombra ter-se-são desenvolvido recentemente.

 

A sombra é um isco muito interessante pois inspira um lado místico que atrai as pessoas.

Mas, como vimos, essas são formas actuais de interpretar que pouco tem que ver com a realidade destes símbolos nórdicos tão curiosos e sobre os quais sabemos tão pouco.

 

 

 

 

Como eu trabalho as Runas

 

Ora, como eu sou uma rapariga muito prática que trabalha o lado místico com um pézinho no racional, prefiro não inventar e opto por, nas minhas leituras, não fazer esse tipo de interpretação – não há lado sombra nas Runas ou Runas invertidas  – nas minhas leituras! outros terapeutas poderão usar essa interpretação, ok?

 

Na minha percepção, e da forma como eu trabalho a sombra, não a vejo como algo que seja o pólo negativo ou oposto.

O lado sombra de uma mensagem poderá ser simplesmente um dom escondido (e não um acontecimento ruim).

 

Ainda que exista um cheirinho de sobrenatural e magia, não podemos desprezar a realidade contada pelos descendentes do povo nórdico que ainda hoje mantém dúvidas sobre estas questões.

 

Quando, por exemplo, numa leitura sai a Runa JERA é isto que ela significa: tempo de espera, paciência ou ciclos.

Mas como tudo na vida, também a sua mensagem tem 2 lados.

Portanto, JERA pode estar a transmitir uma mensagem no sentido de precisarmos dar um tempo a alguma situação, assim como nas colheitas precisamos aguardar que os ciclos se completem.

Ou também pode querer dizer que um ciclo simplesmente chegou ao seu fim.

Mas… não há cá nem sombra nem avesso. O que há é o equilíbrio natural de tudo na vida: cima, baixo, luz, sombra, inicio, fim…

 

Cabe depois à leitora – no caso, euzinha – interpretar intuitivamente a mensagem, aliá-la aos conhecimentos que tenho através dos estudos e aí então, transmiti-la ao consulente, limpinha e sem tretas.

 

 

NOTA: Esta é a minha interpretação pessoal e a forma como eu vejo as Runas, de acordo com tudo o que fui estudando, lendo e ouvindo ao longo dos últimos anos. Outras pessoas poderão fazer leituras usando de interpretações diferentes.

 

 

5 2 votes
Article Rating
Partilha

Leave a Reply

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
error:
0
Adorava saber o que pensas sobre este assunto ;)x
()
x