Nem Sempre Zen®

Shadow Work | Desenvolvimento Pessoal | Espiritualidade

Trabalhar a sombra – o que significa?

 

O que é isto de trabalhar a sombra (ou “fazer shadow work”)?

Já tenho escrito vários artigos sobre este processo, como este, mas hoje gostava de lançar outra perspectiva.

 

Quando falamos de sombra e do trabalho com o lado sombra, sinto que há, por parte do público em geral, muitos equívocos sobre o que efectivamente é.

Trabalhar a sombra não é só pensar no mau, no que eu invejo no outro, no que me faz zangar, nos meus defeitos.

Nem é passar a noite a chorar, bater no peito “mea culpa, mea grande culpa” e no dia seguinte “ora bem vamos lá partilhar a minha “noite escura” na net, shadow work feito, I’m the real deal”.

 

Eu digo isto porque as pessoas poderiam beneficiar verdadeiramente deste trabalho não fosse, por exemplo:

1) Pensarem que sombra é algo mau e maligno e terem medo de “mexer nessas coisas”

2) Acreditarem que vão sofrer horrores com o processo e por essa razão resistem;

3) Ter a falsa ideia que se partilhar algo nas redes sociais sobre a sua experiência com a sombra já está a validar trabalho interior (aquele conceito de “se está na net, é real”)

 

 

Trabalhar a sombra é parte de um processo complexo

 

Trabalhar a sombra (na perspectiva junguiana) é parte de um processo complexo, com inúmeras variáveis que se interligam. É parte do caminho de individuação, do tornar-se o que se é, processo este que dura uma vida inteira.

Trabalhar a sombra é deixar cair barreiras pessoais outrora intransponíveis, é revelar potencial, é ressignificar a vida e dar-lhe sentido, com amor.

 

 

E uso a expressão “cura da sombra” para enfatizar a importância do amor.

Se nos aproximamos de nós mesmos para nos curar e colocamos o “eu” no centro, isso com muita frequência degenera no objectivo de curar o ego — ficar mais forte, tornar-se melhor e crescer de acordo com os objectivos do ego, que em geral são cópias mecânicas dos objectivos da sociedade.

 

Mas quando nos aproximamos de nós mesmos para curar essas firmes e intratáveis fraquezas congénitas de obstinação, cegueira, mesquinhez, crueldade, impostura e ostentação, defrontamo-nos com a necessidade de todo um novo modo de ser; nele, o ego precisa servir, ouvir e cooperar com um exército de desagradáveis figuras da sombra e descobrir a capacidade de amar até mesmo o mais insignificante desses traços.

 

James Hillman

 

 

5 2 votes
Article Rating
Partilha

Leave a Reply

1 Comentário
newest
oldest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Joana Silva
19 Outubro, 2021 07:41

Artigo muito bonito e esclarecedor. É bom aprender contigo

error:
1
0
Adorava saber o que pensas sobre este assunto ;)x
()
x