Nem Sempre Zen

Ferramentas de Autoconhecimento e Desenvolvimento Pessoal by Patrícia Zen

Nem Sempre Zen
Browsing:

Etiqueta: desenvolvimento pessoal

Propriedades do Quartzo Rosa

No seguimento do artigo anterior, sobre a Magia dos Cristais, pedi a duas amigas e colegas, a Joana Silva e a Sara Tibério para me ajudarem a explicar porque é que o quartzo rosa é uma pedra tão especial.

Perspectiva astrológica por Sara Tibério

Nem Sempre Zen – Balança (Libra) é um signo regido pelo planeta Vénus que pode beneficiar das potencialidades de cura compassiva e empática do cristal de quartzo.

Signo de Touro

O cristal de quartzo rosa é uma das pedras associadas a Touro e ao planeta Vénus, que é o seu regente.

Utilizar este cristal ajuda a recarregar a vibração amorosa deste signo, amenizando situações de teimosia, apego e ciúme, distorções típicas da energia fixa dos taurinos. Pelos mesmos motivos, pode ser uma pedra útil também para os escorpioninos, que partilham o eixo Touro-Escorpião, e por isso são “farinha do mesmo saco”!

Signo de Balança

Balança (Libra) é outro signo regido pelo planeta Vénus que pode, igualmente, beneficiar das potencialidades de cura compassiva e empática deste cristal, quando em situações de impetuosidade, falta de paciência, egoísmo… energias distorcidas do signo oposto e complementar Carneiro (Áries), também ele um potencial beneficiário das altas vibrações do quartzo rosa.

Embora estes sejam os signos mais facilmente associados ao quartzo rosa, todos nós podemos utilizar este cristal quando necessitamos de nos conectar com a energia de cura amorosa, visto que as energias dos signos mencionados acima existem em todos nós e estão, a todo o momento, em interacção com o mundo exterior.

Propriedades curativas e energéticas por Joana Silva

Nem Sempre Zen – O quartzo Rosa, muito associado ao chakra cardíaco, lembra-nos do amor incondicional.

Chakra cardíaco e amor incondicional

O quartzo Rosa, muito associado ao chakra cardíaco, lembra-nos do amor incondicional, de sentimentos de paz e compaixão, sendo uma boa ferramenta que ajuda na nossa cura.

Quando trabalhamos neste chakra com o quartzo Rosa, pode ajudar a dissolver feridas emocionais, medos e ressentimentos, trazendo-nos também conforto.

Ajuda-nos ainda a abrir o coração para dar e receber Amor e, principalmente, deve ser uma ferramenta para nos lembrarmos e trabalharmos em busca do amor-próprio e auto-confiança.

 

Outras utilizações

Quando os utilizamos no quarto, principalmente debaixo da almofada, previne pesadelos e ajuda a ter sonhos mais tranquilos.

É também um cristal que pode ser utilizado para aliviar stress e tensões, através, por exemplo, da sua utilização em conjunto com o reiki ou a meditação.

Ao ser utilizado nos tratamentos de reiki, ao colocar o quartzo rosa na zona do chakra cardíaco enquanto fazemos o tratamento, este propícia o seu efeito.

Lembra-te sempre da importância de usar os cristais como uma ferramenta apenas, sem qualquer apego. Estes pequenos objectos podem ajudar-te a ancorar as emoções e a focar na solução e não no problema. No entanto, a verdadeira força e o poder estão dentro de ti.

Nota:

Se tens cristais e precisas de conselhos sobre como os limpar e energizar, podes lêr este artigo da Joana no site Terapias D’Alma (link directo).


A magia dos cristais – Quartzo Rosa

Nem Sempre Zen – Cristal de Quartzo Rosa

 

O primeiro cristal que comprei foi um quartzo rosa

 

Eu estava a passar uma situação muito delicada no trabalho e senti que precisava de algo para me ajudar a ter clareza de espírito para lidar com aquela situação.

Um dia fui a uma loja e expliquei a quem me atendeu o que se passava. Ela foi até ao expositor dos cristais e passou a mão, de olhos fechados, por todas as pedrinhas.

 

Finalmente, pegou num quartzo rosa e disse-me: “Esta é a pedra do amor incondicional, ela escolheu-te porque precisas de amor no teu coração e esse amor vai ajudar-te a enfrentar esses desafios.”

 

Na altura, não entendi como é que aquilo me ia ajudar. No entanto, lá andei com o cristal no bolso durante uns tempos.

Cada vez que me começava a “enervar”, levava a mão ao bolso e lembrava-me de “enviar amor” a quem me estava a testar a paciência.

Até ao dia em que tudo melhorou drasticamente.

 

 

Foi o cristal?

 

Não, fui eu.

Utilizei a pedra para ancorar as minhas emoções e, em vez de me enraivecer, enviei amor às pessoas envolvidas e com isto, acabei por entender a intenção da senhora da loja, quando me deu aquele cristal.

 

Os cristais podem ser ferramentas poderosas pois têm a sua própria energia. São pedras com energias de cura, inspiradoras e protectoras mas, no fim das contas, somos nós quem está no comando.

Uma pedra no bolso… é uma pedra no bolso. Uma pedra no bolso que me relembra que devo respirar fundo, acalmar e amar o outro, é uma pedra mágica.

 

Pouco tempo depois, deixei de andar com o quartzo no bolso mas a sua lição ficou-me na memória até hoje.

Essa é a verdadeira magia dos cristais.

 

 

As propriedades do cristal de quartzo rosa

 

Amanhã publicarei a segunda parte deste artigo, que irá incidir especialmente nas propriedades do cristal de quartzo rosa.

Para isso, vou ter a colaboração da Joana Silva, do site Terapias D’Alma que vai falar brevemente sobre as propriedades curativas e energéticas e a Sara Tibério do site Vikasa.pt irá dar-nos uma perspectiva astrológica deste cristal.

 

 


Ouvir só o que nos interessa é limitante

Nem Sempre Zen – Saber conversar com pessoas cujas opiniões são diferentes das nossas é muito importante

Nós gostamos de ouvir o que se coaduna com os nosso ideais precisamente porque é uma forma de validar as crenças que temos.

Quando alguém faz um discurso contrário aos nossos ideais, a gente nem ouve, desliga a tv, o rádio, fala mais alto, se sobrepõe ao discurso do outro, insulta, enfim…

No entanto, para cimentarmos as nossas ideias, a nossa perspectiva, é fundamental ouvir o pensamento do outro lado e escutar os argumentos do “adversário”.

Apenas assim conseguimos estar na posse de todos os elementos para melhor formar um julgamento justo acerca de alguém, avaliar uma determinada situação ou chegar a uma conclusão acerca de um qualquer assunto

Ouvir só o que nos interessa é limitante.

Ouvir todos os lados da história, é inteligente.

Avaliar, decidir e agir pela nossa cabeça é ser livre


Pensa sempre. Inútil é não pensar.

Nem Sempre Zen – Pensa sempre. Inútil é não pensar.

Para começo de conversa, pense sempre, pense muito e coloque isso na cabeça: a curiosidade do mundo não tem limites. Somos todos absolutamente carentes de informações.  

Apesar de muitos saberem muito sobre muitas coisas, ninguém sabe tudo de tudo.  

Pense muito e pense bem nisso. Aliás, pense nisso e naquilo. Pense a quilo. Pense às toneladas, pense aos montes. 

Pensar é o caminho. Pensar nos porquês da vida, nas questões do mundo, no valor das coisas ou o pouco valor que as coisas possam ter.  

texto de Edgard de Oliveira Barros 

Este texto é de um professor de Jornalismo, em resposta a uma das questões mais colocadas pelos seus alunos: sobre o que escrever

Pensa nos “porquês”

Tomo a liberdade de aplicar a mesma ideia ao meu e ao teu processo de auto conhecimento: Pensa, pensa bem, pensa nos porquês da vida. 

Vamos voltar à criancice e perguntar “porquê” de minuto a minuto. Vamos voltar à adolescência e questionar tudo.  

Vamos ser jornalistas da nossa mente e dos nosso sentimentos e perguntarmos a nós próprios: porquê? 

Desenvolver a imaginação e o espírito crítico

Toda a gente acha que sabe muito mas embora saibamos muito de muita coisa, não sabemos tudo.

Vivemos num mundo que acredita ter respostas para tudo e, por isso, esquecemos de questionar a vida através do nosso olhar pessoal.

Nós estamos constantemente à procura que o outro nos dê as respostas (certas ou erradas), ao invés de as procurarmos por nós mesmos.

Vamos aos poucos destruindo o nosso espírito crítico, o pensamento analítico, aquele que imagina, que questiona, que inventa, que fracassa e volta a tentar à procura da solução.

Que seria do nosso mundo se os grandes filósofos e inventores não tivessem ousado pensar?!

Nem Sempre Zen – “Olhe para o céu, olhe para a frente, olhe para os lados, olhe para o chão e pense em cada detalhe que você viu”

Olhe para o céu, olhe para a frente, olhe para os lados, olhe para o chão e pense em cada detalhe que você viu.

Pense nas estrelas, na lua, nas nuvens. Que diabos fazem as nuvens penduradas lá no céu? Quem as segura lá?  

E essa lua prateada e envolvente que tantas paixões despertou em tanta gente e em tantos poetas? O que faz a lua nesse contexto todo? 

Aposto que milhões de pessoas gostariam de ouvir explicações sobre essas questões que aparentemente não passam de grandes bobagens.  

Cultura inútil, como dizem os inúteis.  

Cultura nunca é inútil. Inútil é não pensar.  

texto de Edgard de Oliveira Barros 


Síndrome do guru

Nem Sempre Zen – Síndrome do guru

Há uns dias deparei-me com uma mensagem no mínimo bizarra.

Alguém me enviou uma mensagem pelo messenger do facebook, que só vejo quando estou no desktop, alegadamente a avisar-me para o perigo de certas instituições e pessoas que se dizem terapeutas, que lhe estavam a destruir a vida.

Além de estranheza pelo macabro da história, senti que, se fosse verdade, há aqui duas questões importantes a ser abordadas.

Primeiro: cais uma, cais duas, mas à terceira vez só cais se quiseres e culpar os outros pela nossa desgraça é um “bombom” amargo.

Segundo: é natural que depois de sofreres uma decepção num terapeuta de reiki, num massagista, médico, psicólogo, o que seja, fiques desconfiado e percas a fé na pessoa e na prática.

Não podemos passar a vida desconfiados mas…

Vamos acreditar que a maior parte dos profissionais, qualquer que seja a sua área de actuação, são devidamente qualificados e prestam bons serviços, de forma ética e responsável.

Depois há ali uma franja de pessoas que são simplesmente desumanas, arrogantes e vaidosas. E ainda há aqueles que, não tendo qualificações, gostam muito de opinar.

O site “Nem Sempre Zen” tem um disclaimer a explicar o que se diz e porquê e o que não se pode dizer ou fazer.

Eu, Patrícia, falo de assuntos que ou estudei e tenho conhecimento de causa ou são minha experiência pessoal.

A minha experiência pessoal é a minha experiência. E se a partilho é porque penso que possa ajudar e inspirar. Mas não é lei.

“Cada coisa que aprendemos pode ser compartilhada e servir para alguém em sua jornada. No entanto, eu dividir com você coisas que aprendi nas fases da minha vida, não necessariamente servirão para as suas. Porque cada vida é uma e cada pessoa é um universo diferente e cheio de possibilidades.”

Cherrine Cardoso

Cuidado com os “falsos profetas”

Há pessoas com as quais precisamos ter cuidado porque o seu único objectivo é a auto promoção e o colmatar das suas próprias inseguranças.

São pessoas que se acham especiais porque ajudam os outros.

Ora bolas! É nossa obrigação como seres humanos ajudar a todos. Ponto.

E o profissional do que quer que seja tem obrigação de ser bom profissional.

É simples.

Nem Sempre Zen – Somethings smell like bullshit eheh

Quando o alarme toca

Para mim, o “bullshit detector” toca o alarme quando vejo muita auto promoção, muita fanfarronice e frases feitas sobre como o seu trabalho vai mudar vida da pessoa – esta li num post de uma guru da moda super conhecida, com milhares de seguidores… até me arrepiei!

“Bons mentores, bons professores, bons coaches são aqueles que escutam e contribuem com um norte para quem os segue, sem doutrinar ou impor as suas verdades. Profissionais sérios são aqueles que continuam estudando por toda a vida, pois só assim somam mais conhecimentos.

Guru bom é o que não se vangloria de sua posição e nem guarda para si o que aprende por medo de dividir seu conhecimento com outros, com receio de que sejam melhores do que ele.”


Cherrine Cardoso

O guru bom, como lhe chama a professora de Yoga Cherrine Cardoso, é aquele que ensina a fazer. É aquele nem sempre tem respostas mas que suscita as perguntas e ajuda a pensar.

É o que ensina a caminhar sem precisa de muletas.

Abre o olho

Não vou dizer que nunca sou enganada. Ui, já fui. E à vezes ainda sou. Só que já são uns bons anos em cima do lombo a observar pessoas na área da espiritualidade e até posso cair na esparrela mas não fico lá a chafurdar muito tempo. Nem pensar!

Não respondi à mensagem de que falei no início do texto porque achei o discurso esquizofrénico e não me meto nisso.

Mas serviu de inspiração ….

Abre o olho e questiona sem quaisquer problemas. Afinal, é da nossa vida que estamos a falar e temos de cuidar dela com muito carinho.


error: