Nem Sempre Zen

Ferramentas de Autoconhecimento | Shadow Work | Desenvolvimento Pessoal & Espiritualidade

Nem Sempre Zen
Browsing:

Etiqueta: Autoconhecimento

Submundo


O submundo é para mim uma metáfora sobre enfrentar as trevas da vida: é descer ao fundo de ti e reconheceres as situações da vida que te abatem, as decisões que não consegues tomar, a submissão, a preguiça, a vitimização, a auto comiseração, o medo, os ciúmes, a incapacidade de lidar com os problemas, a ingenuidade, a raiva e por ai vai.

O submundo é para mim uma metáfora sobre enfrentar as trevas da vida

 

Estar no submundo

Estar no “submundo” sempre foi cómodo para mim, é onde me sinto confortável – gosto de me conhecer, de perceber os porquês (meus e dos outros) e sinto-me confortável no meu sofrimento porque o conheço bem, porque as minhas lágrimas consolam-me e aquecem-me o coração Mas talvez por isso houvesse a necessidade de tornar aquele útero aconchegante, num real inferno emocional que me abanasse e me engolisse. O submundo deverá ser lugar de passagem, não de permanência.
 
 

Consciência desperta

 
Ver e sentir essa minha escuridão da alma com a consciência desperta fez toda a diferença.  É duro ter os olhos abertos e ver.
De repente alcanço mais além, conheço melhor a minha sombra, leio melhor os outros, confio mais na minha intuição e tenho noção de tudo o que preciso fazer para mudar e tudo isso traz responsabilidade.
 
 
A responsabilidade de perceber que preciso ter coragem e disciplina, de que necessito mudar a minha relação comigo mesma e com o mundo e que tenho mesmo de deixar de procrastinar e passar à acção.
De repente vejo-me e reconheço-me na minha humanidade. Aceito o que preciso transformar, comprometo-me a mudar e simultaneamente aceito o que sou.


 

O início da minha transformação pessoal

Ou de como fui de católica a protestante e de agnóstica a qualquer coisa que não sei o que é mas é bonito.

Fiz a escola primária num colégio de freiras, não por motivos religiosos mas porque os meus pais acharam que ali teria a melhor educação – e foi, a professora que nos acompanhou era espectacular!

Por estar nesse ambiente, era obrigada a frequentar missas e outras celebrações religiosas. Nunca me assumi católica mas o aspecto espiritual das histórias e o recolhimento no silêncio da igreja fascinava-me.

Mais tarde, na adolescência descobri o protestantismo através da incursão numa igreja evangélica. Trabalhei lá durante cerca de 5 anos como voluntária e pensei seriamente que tinha encontrado o meu propósito de vida: servir o outro.

Mas ali, o servir o outro vinha acompanhado de coisas como impingir objectos e ideias que supostamente fortaleciam a fé da pessoa. Isso era contrário às minhas crenças pessoais. No meu trabalho sempre incentivei as pessoas a não se agarrarem a objectos ou à necessidade de “fazer para receber”.

Por isso sai de lá, de consciência tranquila.

Apesar disso continuei a acreditar em deus, até ir para a universidade.

Com a Psicologia e as Neurociências em particular, percebi que tudo está no nosso cérebro: a inteligência, o amor, a paz e as crenças. A motricidade, a fala, a consciência, tudo é produto de uma amálgama esponjosa delicadamente alojada na nossa caixa craniana.

E foi nessa altura que me assumi agnóstica. Não acreditava em deuses mas também não podia provar a sua inexistência.

O reencontro com a minha espiritualidade deu-se uns 15 anos mais tarde.

Tudo começou com uma meditação xamânica... Nessa meditação tive uma visão avassaladora do animal de poder que me acompanhava naquele momento. Levei meses a digerir aquilo!

Seguiu-se mais tarde uma leitura de cartas de Tarot, que me tirou as dúvidas e me sugeriu ferramentas para trabalhar.

Assim fiz. Tudo mudou a partir dai.

Não houve uma inspiração divina e aqui estou iluminada. Houve sim muito trabalho de pesquisa, de estudo, de introspecção.

Depois veio a leitura da aura… No final desta leitura, fui a conduzir de Sagres para Portimão como se estivesse a pilotar uma nave especial, contornando aquelas dezenas de rotundas como se fossem sistemas planetários distantes, entre o fascínio do “primeiro contacto”, a descoberta de mundos novos e o conhecimento profundo de cada constelação de estrelas.

Até que, no início de 2019 vieram as provações, o estado de graça afundou-me nas sombras, tempo de as enfrentar à séria.

Momento de “cair na real” e perceber que eu sou uma Wonder Woman mas sem o glamour de andar com uma espada à tiracolo a fazer acrobacias para liquidar os meus inimigos.

Era bom! Mas é fantasia.

Esta foi a minha caminhada em direcção a uma transformação pessoal.

Nada do que vivemos e sentimos é por acaso, pelo menos é nisto que eu acredito.

Detesto impingir ideias e os tempos de “evangelização” já lá vão há muitos, muitos anos.

Hoje partilho as minhas experiências para ajudar outros a perceber que existem formas saudáveis e empoderadoras de ultrapassar maus momentos na vida ou crises pessoais.

Aquela derrocada emocional que me atingiu no inicio de 2019 fez-me crescer tanto, tanto!

Todo o ano foi por si mesmo super desafiante mas também nunca na minha vida me senti tão segura de mim, mesmo com falhas e imperfeições, eu conheço-me e gosto de mim.


Saber ser sozinho

 

 

Sempre privilegiei a minha relação comigo mesma, às vezes nem sempre pelos melhores motivos.
Fui sempre retraída e desconfiada porque, depois de uma infância cheia de amor e mimo, a família apartou-se e eu tive de viver muitos processos emocionais de abandono sozinha.

 

Toda a vida achei que só podia depender de mim porque eu tive de ser cheerleader de mim mesma.
Ainda hoje batalho comigo quando sou alvo de atenção e carinho – e talvez por isso me esconda, porque não sei como agir quando tenho o foco sobre mim.

 

Trabalho numa empresa pequena em que nos damos bem mas, tal como em milhares de outras empresas, somos apenas máquinas, temos de estar sempre bem e a sorrir. Ninguém nos pergunta “como é que te sentes? precisas de alguma coisa?”.

 

Até aqui sou eu que, sozinha, tenho de interromper um “momento de cura”, em que precisava de recolhimento, para ter de fechar o coração e ligar o piloto automático de “boa profissional”.
Se trabalhas por conta de outrem aposto que já te sentiste assim também, não?

 

Este pode bem ser o lado mais frágil do “ser sozinho”, que é sentir mágoa por ter feito o caminho sozinha e raiva por ter de ser forte.

 

Quando temos uma boa relação connosco, sabemos que todo o mundo nos pode falhar, menos nós.
E se for realmente uma relação saudável, sabemos que estamos sós mas não rejeitamos o mundo lá fora, nem nos refugiamos numa bolha de desconfiança, nem sentimos rancor ou raiva. Apenas amor, por nós e por quem nos falhou.

 

 


Regras e rituais

 

Há por ai a correr um “meme” de uma bruxinha que diz “se eu quisesse regras, ia para a igreja

Essa frase diz muito da razão porque não consigo fazer rituais ponto por ponto, fazer rezos letra a letra ou seguir instruções para levar uma vida mais saudável.

Alias, nem uma porcaria de uma receita eu sigo passo a passo, quanto mais!

 

 

Nem Sempre Zen – Durante muito tempo, por não gostar de seguir regras e rituais, achei que era desleixada, pouco espiritual, pouco empenhada e que os outros eram melhores e mais dignos que eu.

 

 

Regras e rituais…

 

Sou realmente avessa a cumprir regras, excepto as de trânsito ou as que nos obrigam a pagar impostos, por uma questão de respeito e cidadania.

De resto, as obrigações ritualísticas e regras de comportamento a que fui sujeita enquanto membro e voluntária de uma igreja cristã evangélica tiraram-me a tesão toda para acordar religiosamente às 5 da manhã para meditar, ir 3 vezes por semana ao ginásio, cumprir um plano alimentar ou seguir os “10 passos para a iluminação”.

 

Durante uns tempos ainda me senti culpada por isso. Achei que era desleixada, pouco espiritual, pouco empenhada e que os outros eram melhores e mais dignos que eu.

Agora compreendo(me). Não é desleixo, nem falta de empenho ou ser melhor ou pior que os outros, é simplesmente experiência.

 

 

O que me ensinou a experiência?

 

A minha experiência de vida ensinou-me coisas que a outros não fazem sentido e deu-me ferramentas para lidar com situações que outros não conseguem.

A minha maneira (única) de SER e ESTAR na vida dá-me uma estaleca e compreensão do mundo que outros não têm.

E isto vale no sentido inverso! pois também tu terás experiências que te ensinaram e trouxeram formas de lidar com as situações da vida de maneira única.

 

Por isso reitero…  Práticas “chapa 5” para toda a gente porque “é assim senão não faz efeito” são sem sentido e um engano para o coração.

Tudo na vida são orientações ou ideias para te inspirar, depois quem te rege é a tua bússola interna.

Ouve-a e segue-a, sem medo e sem culpa.

 

 


Ferramentas de autoconhecimento

Para termos um bom conhecimento de nós, precisamos ter igualmente consciência do que somos.

Durante milhares de anos, filósofos, escritores, alquimistas e neurocientistas, entre tantos outros pensadores, buscaram o conhecimento da natureza do ser humano e de si mesmos.

Neste artigo falo de forma breve sobre algumas ferramentas de autoconhecimento, assunto que irei desenvolver mais aprofundadamente nos próximos tempos.

 

 

 

Nem Sempre Zen – Para termos um bom conhecimento de nós, precisamos ter igualmente consciência do que somos.

 

 

Como é que eu me conheço?

 

Há quem refira que a primeira coisa a fazer é desligarmo-nos dos julgamentos alheios.

Depois, deveremos pensar naquilo que nos define: do que gostamos e não gostamos em nós? quais são os nossos traços mais marcantes? quem sou eu no meu grupo de amigos?

É bom também termos consciência dos acontecimentos de vida que nos moldaram – nem sempre temos noção do impacto que certas situações tiveram em nós, por isso recorrer a psicoterapia é sempre uma boa opção.

 

Dica: Se quiseres explorar mais sobre este assunto, podes ler o artigo no qual me inspirei aqui.

 

 

Ferramentas de autoconhecimento

 

Fazer journaling, meditar ou aprender uma língua nova são formas de sair da comfort zone mas são também ferramentas importantes de autoconhecimento.

Desta forma, tens uma visão daquelas que são as tuas forças e fraquezas, de maneira a poderes trabalhá-las.

Outras ferramentas usadas actualmente, mais ligadas ao lado espiritual, são o Tarot, a meditação, o Reiki e a prática de Yoga.

 

 

Ferramentas que eu utilizo

 

  • Escrita, introspecção, psicoterapia, e muitas leituras e estudo;
  • Muita comunicação com o outro, com amigos que estão na “mesma onda” mas também com aqueles de desafiam as nossas crenças (é um bom exercício, acredita!);
  • Trabalhar com cartas (tarot e outros oráculos) tem sido um exercício fundamental e extremamente útil. Falarei melhor sobre isto em breve;
  • O Reiki, que é uma prática que me que me obriga a acalmar e a viver no momento presente;
  • O Yoga, no entanto, foi, no inicio da minha caminhada rumo ao desenvolvimento espiritual, aquela tool que mais me abriu os olhos para o mundo além material;
  • E, claro, a Meditação, que é o meu maior mestre, que me faz ir ao fundo de mim,

 

 

Consciência de mim (de nós)

 

Apesar de todas as práticas que descrevi, há uma que é essencial, como uma chave mestra.

Os nossos pensamentos e atitudes, bem como a consciência crítica que temos sobre eles, são, na minha opinião, a nossa maior ferramenta de autoconhecimento.

Quando esta capacidade de análise e introspecção não existe, não há cristais, Reiki, Tarot ou psicoterapia que nos valha.

Porque tudo, tudo está em nós.

 

 


error: