Nem Sempre Zen

Ferramentas de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal

Nem Sempre Zen

1 ano de Nem Sempre Zen



Nem Sempre Zen – Há 1 ano a escrever do meu coração para o teu

O primeiro artigo foi publicado no site no dia 9 de Fevereiro de 2018.

O “Nem Sempre Zen” começou por ser uma plataforma motivacional para a minha tentativa de levar avante um plano alimentar que me permitisse voltar a ter um peso adequado, cumprindo indicações médicas.

O resto surgiu através da ideia de que talvez eu pudesse encontrar uma filosofia de vida que me fizesse olhar a alimentação de uma forma diferente e me ajudasse a encontrar algum equilíbrio.

Este caminho veio a tornar-se antes um processo de autoconhecimento muito bonito.

O site foi idealizado e construído por mim. A manutenção e a gestão do site e redes sociais, é feita por mim.

Há muita coisa que eu gostava de acrescentar e alterar para melhorar a forma e o conteúdo do site mas a verdade é que este é, por enquanto, apenas um hobbie, sujeito à disponibilidade de tempo que uma pessoa que trabalha fora em full time tem.

Acima de tudo gostava que o site e o trabalho que desenvolvo aqui e nas redes sociais, nomeadamente, no Instagram, fosse sinónimo de partilha, de desenvolvimento e de aprendizagem.

Por isso, comenta, faz sugestões, apresenta criticas, ajuda-me a oferecer mais e melhor conteúdo.

Obrigada!

Nota: para todos os subscritores do site, vou oferecer uma mensagem, do meu coração para o teu. Fica atento ao teu e-mail nos próximos dias.

Esta mensagem tem por objectivo ajudar-te a continuar a crescer, pessoal e espiritualmente e a seres uma luz e uma mão amiga para todos os que te rodeiam.

Porque parte, se não toda, a nossa existência é / será pautada pelo apoio que damos aos nossos semelhantes, independentemente das suas ideologias.

Estamos todos aqui para evoluir.

Uma alma é uma alma.

Amor é amor.

Partilha

Síndrome do guru

Nem Sempre Zen – Síndrome do guru

Há uns dias deparei-me com uma mensagem no mínimo bizarra.

Alguém me enviou uma mensagem pelo messenger do facebook, que só vejo quando estou no desktop, alegadamente a avisar-me para o perigo de certas instituições e pessoas que se dizem terapeutas, que lhe estavam a destruir a vida.

Além de estranheza pelo macabro da história, senti que, se fosse verdade, há aqui duas questões importantes a ser abordadas.

Primeiro: cais uma, cais duas, mas à terceira vez só cais se quiseres e culpar os outros pela nossa desgraça é um “bombom” amargo.

Segundo: é natural que depois de sofreres uma decepção num terapeuta de reiki, num massagista, médico, psicólogo, o que seja, fiques desconfiado e percas a fé na pessoa e na prática.

Não podemos passar a vida desconfiados mas…

Vamos acreditar que a maior parte dos profissionais, qualquer que seja a sua área de actuação, são devidamente qualificados e prestam bons serviços, de forma ética e responsável.

Depois há ali uma franja de pessoas que são simplesmente desumanas, arrogantes e vaidosas. E ainda há aqueles que, não tendo qualificações, gostam muito de opinar.

O site “Nem Sempre Zen” tem um disclaimer a explicar o que se diz e porquê e o que não se pode dizer ou fazer.

Eu, Patrícia, falo de assuntos que ou estudei e tenho conhecimento de causa ou são minha experiência pessoal.

A minha experiência pessoal é a minha experiência. E se a partilho é porque penso que possa ajudar e inspirar. Mas não é lei.

“Cada coisa que aprendemos pode ser compartilhada e servir para alguém em sua jornada. No entanto, eu dividir com você coisas que aprendi nas fases da minha vida, não necessariamente servirão para as suas. Porque cada vida é uma e cada pessoa é um universo diferente e cheio de possibilidades.”

Cherrine Cardoso

Cuidado com os “falsos profetas”

Há pessoas com as quais precisamos ter cuidado porque o seu único objectivo é a auto promoção e o colmatar das suas próprias inseguranças.

São pessoas que se acham especiais porque ajudam os outros.

Ora bolas! É nossa obrigação como seres humanos ajudar a todos. Ponto.

E o profissional do que quer que seja tem obrigação de ser bom profissional.

É simples.

Nem Sempre Zen – Somethings smell like bullshit eheh

Quando o alarme toca

Para mim, o “bullshit detector” toca o alarme quando vejo muita auto promoção, muita fanfarronice e frases feitas sobre como o seu trabalho vai mudar vida da pessoa – esta li num post de uma guru da moda super conhecida, com milhares de seguidores… até me arrepiei!

“Bons mentores, bons professores, bons coaches são aqueles que escutam e contribuem com um norte para quem os segue, sem doutrinar ou impor as suas verdades. Profissionais sérios são aqueles que continuam estudando por toda a vida, pois só assim somam mais conhecimentos.

Guru bom é o que não se vangloria de sua posição e nem guarda para si o que aprende por medo de dividir seu conhecimento com outros, com receio de que sejam melhores do que ele.”


Cherrine Cardoso

O guru bom, como lhe chama a professora de Yoga Cherrine Cardoso, é aquele que ensina a fazer. É aquele nem sempre tem respostas mas que suscita as perguntas e ajuda a pensar.

É o que ensina a caminhar sem precisa de muletas.

Abre o olho

Não vou dizer que nunca sou enganada. Ui, já fui. E à vezes ainda sou. Só que já são uns bons anos em cima do lombo a observar pessoas na área da espiritualidade e até posso cair na esparrela mas não fico lá a chafurdar muito tempo. Nem pensar!

Não respondi à mensagem de que falei no início do texto porque achei o discurso esquizofrénico e não me meto nisso.

Mas serviu de inspiração ….

Abre o olho e questiona sem quaisquer problemas. Afinal, é da nossa vida que estamos a falar e temos de cuidar dela com muito carinho.

Partilha

A minha vida está uma m****

Então, como ser feliz?!

Em primeiro lugar, desliga as redes sociais – principalmente as contas de quem te transmite que a vida é mágica 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Desliga a televisão, principalmente nos telejornais que além de desgraças, produzem notícias ocas e desprovidas de informação útil e verdadeira.

Fecha esse livro de auto-ajuda que te está a tornar inquieta e ansiosa.

E depois de leres o que tenho para te dizer fecha também aqui o separador do Nem Sempre Zen!

Nem Sempre Zen - Como ultrapassar os momentos em que bate o desespero?
Nem Sempre Zen – Como ultrapassar os momentos em que bate o desespero?

Ninguém está livre de ter problemas

Mesmo as divas da auto-ajuda.

Se fores ver, as maiores personalidades nesta área, passaram por problemas gravíssimos, de saúde e familiares.

Já li artigos de mulheres e homens que ultrapassaram a morte de um filho, outros conseguiram curar-se de um cancro, outros reconstruiram as suas vidas depois de terem ficado desempregados.

Se hoje estão bem, houve tempo em que não era assim.

Apesar de eu estar a dar estes exemplos, não te compares com os outros. O que eu quero dizer é que no meio da aflição é possível encontrar paz.

A tua vida está uma m****, a minha também não é perfeita. Mas estamos aqui!

O que é realmente importante para ti?

Pensa comigo, quais são as coisas que realmente são importantes para ti?

Provavelmente não pensaste em coisas mas sim em pessoas ou emoções, correcto?

Se tiveres filhos de certeza que pensaste neles. Se tiveres pais, irmãos ou avós também estiveram na tua mente. O teu companheiro ou companheira.

A satisfação que retiras do teu trabalho ou dos teus hobbies.

Isso significa que valorizas sentimentos, vivências e não bens materiais.

Podes dizer: “ah mas a minha relação com a minha irmã é horrível!” ou “o meu chefe é manipulador” ou mesmo “o meu irmão é toxicodependente.”

São situações aflitivas, claro que sim! Isso dá-te todo o direito de te sentires triste e frustrada.

Agora pensa… em quais destas situações podes ter uma atitude diferente que possa modificar o que sentes?

Nem todas as soluções para os problemas estão nas tuas mãos. Faz o teu melhor, ajuda quem precisa, limpa o coração de mágoas e cuida do teu interior.

“Mas e isso vai fazer com que a minha vida deixe de estar uma m****?”

Os problemas talvez continuem por ai mas…

Se começares a observar as situações do ponto de vista daquilo que tu podes ou não podes fazer, isso pode ajudar-te a diminuir a ansiedade, a ver o problema por uma lente mais limpa e pode inclusive fazer-te perceber que esse obstáculo já não tem o mesmo impacto que tinha antes e que é ultrapassável.

Respira fundo e segue…

Partilha

Só por hoje

Ansiedade 

 

Eu já vivi num estado de ansiedade extrema. Ansiedade. Controlo. Falta de confiança. 

O dia seguinte preocupava-me: Como vai ser? O que vou dizer? O que vou fazer?  

Qualquer coisa que acontecia fora do planeado alterava-me o sistema: “E agora, só problemas, só problemas! Só a mim me acontece isto! O que fazer?”

Resolver problemas era um problema: “Eu não sei resolver isto! Estou sozinha e agora? O que fazer?”

 

Nem Sempre Zen – Ansiedade

 

 

O que fazer? O que fazer? 

 

E aquilo entra num loop tresloucado.  

Durante uns anos tive alguns ataques de pânico e um sentimento muito grande de impotência, sobretudo uma grande preocupação com o que fazer no amanhã. 

 

 

A Sra. Ansiedade e o Sr. Tranquilo 

 

Quando fui viver com o meu marido nós éramos a Sra. Ansiedade e o Sr. Tranquilo. Eu queria planear tudo ao ínfimo pormenor e ele respondia “logo se vê” ou qualquer coisa do género. 

Se ao inicio foi estranho (e irritante!), com o tempo foi terapêutico.  

 

Largar da mão a necessidade de ter tudo controlado, porque há coisas que nós não controlamos (ponto final.) e (re)aprender a ter confiança em mim mesma, foram meio caminho andado para me ajudar a ultrapassar a ansiedade. 

 

Obviamente fiz psicoterapia, o que foi uma tremenda ajuda. Ver o nosso pensamento, num momento de ansiedade, ser “mastigado e cuspido” de forma organizada é como levar um murro no estômago!  Dói imenso no impacto mas passa rápido e quando dás por ti, pensas “como é que é possível a minha cabeça estar neste estado? O que é que estou a fazer a mim mesma?” 

 

Actualmente, estou muito mais “relaxada” em relação ao que há-de vir porque na verdade, só temos o hoje para viver. Podemos (e devemos) fazer planos mas sempre de forma descontraída e com planos B e C ou então sem planos, se fores do tipo “tá-se bem”.  

 

Porque está tudo bem

 

Problemas vão existir sempre mas se não os olharmos com calma e espírito analítico não os vamos conseguir resolver, não sem desgastar a nossa saúde mental, que é tão preciosa. 

 

 

Nem Sempre Zen – Tudo é relativo

 

 

 

Tudo é relativo 

 

Se fores a ver, aquilo que é um grande problema para ti, pode ser de fácil resolução para outra pessoa e vice versa, o que só prova que tudo é relativo.  

As tuas vivências pessoais, o background familiar ou  o teu estado de espirito no momento, tudo isto contribui para a tua forma de olhar os obstáculos. Há quem os veja como o fim do mundo, outros vêm desafios a superar com sucesso.  

Nada é real e tudo é relativo. 

 

 

 

Só por hoje

 

Reiki também nos ensina isso, a viver um momento de cada vez.  

Os seus cinco princípios assentam na premissa do “só por hoje”. Viver o dia, sentir o dia, refletir no dia. Ser grato pelo dia.  

Um passo de cada vez.  

 

“A frase só por hoje chama a atenção pera a necessidade de vivermos no presente e também nos alivia do peso que seria pensar em ter ele seguir os princípios para toda a vida. Já pensou na responsabilidade e na dificuldade de cumprir os princípios para sempre? Parece um objectivo impossível não estou? Mas se pensarmos em cumpri-los até ao final de um dia sai-nos um grande peso das costas e já parece um feito possível de se alcançar.” 

Sara Cardoso em “A psicologia do Reiki” 

Nem Sempre Zen – Gokai
Partilha

Sobre rituais

A nossa vida está cheia de rituais, desde o acordar e tomar o pequeno-almoço, ao ir trabalhar ou ir ao ginásio ou até mesmo o hábito de almoçar com a família todos os fins-de-semana.

Outros mais intensos e nem sempre visíveis são os rituais de passagem da infância para a adolescência, do estado de solteiro para o de casado ou quando um familiar morre e há a tradição de “mandar rezar” missas.

O ritual é um processo de transformação, de concretização ou de organização.

Quando nos iniciamos no mundo espiritual (religioso ou não) também somos confrontados com regras e rituais: a avé-maria é rezada X vezes, a vela acendida deve ser da cor Y para o amor e da cor Z para a prosperidade, o círculo deve ser aberto e fechado, o autotratamento de reiki deve ser feito 21 dias, etc…

Nem Sempre Zen – Quando nos iniciamos no mundo espiritual (religioso ou não) também somos confrontados com regras e rituais

Eu recomendo, a quem se inicia no que quer que seja nesta área, muito foco, dedicação e estudo


Mais que isso recomendo que adaptes a tua prática ao teu dia a dia e à tua maneira de ser.

Eu não consigo levantar-me às 5 da manhã para fazer yoga, ginástica, correr, meditar, fazer a marmita para o dia, tomar banho, pequeno almoço, sumos verdes, fazer a cama e ir trabalhar.

Para mim é um desgaste e uma pressão de que não preciso.

Mas se calhar tu tens tempo e energia para isso. Faz!

Tal como uma dieta alimentar é adaptada a cada pessoa baseada na sua genética, estilo de vida e gostos pessoais, as práticas voltadas para a espiritualidade também devem ser ajustadas a cada um de nós de forma individualizada.

Nem Sempre Zen – As práticas voltadas para a espiritualidade deveriam ser adaptadas a cada um de nós de forma individualizada

Quando eu digo que não tenho rituais, é porque eu não me dou bem com obrigações (porque os vejo desta forma). Mas para ti que estás a começar, se combinar com a tua forma de ser e estar fá-lo.

O mais importante é sentires-te bem, completo e em sintonia com o teu ser.

Os rituais, como já referi, podem ser um acto motivador e organizador que, se assim entenderes, te vão ajudar muito nesta jornada.

Partilha

error: