Book Gift - www.wook.pt

Nem Sempre Zen

By Patrícia Zen: Desenvolvimento Pessoal | Ser Feliz | Vida Saudável

Nem Sempre Zen

É fácil ser zen quando vives isolado

 

É fácil ser zen quando vives isolado, sem ninguém à tua volta e sem barulho.

 

Um dos maiores desafios da nossa vida é manter a calma

 

Manter a calma e ser zen quando estás rodeado de colegas tagarelas e falsos, de chefes que cinicamente te dão palmadinhas nas costas, de familiares com personalidades narcisistas e amigos egoístas.

Viver na cidade com a poluição, o trânsito, as pessoas desvairadas que andam a direito, sem ver nada à sua frente e ter uma atitude zen… é dose!

É complicado manteres uma atitude serena de forma permanente porque, convenhamos, há desafios diários que nos testam a paciência e a calma de uma maneira atroz.

 

 

 

Nem Sempre Zen – É facil ser zen quando se vive isolado

 

 

 

 

 

 

 

 

Os desafios de ser zen num mundo caótico

 

Durante o verão passado aconteceu-me isto….  “passei-me da marmita” porque estava tranquilamente a estacionar o carro e alguém com muita pressa não quis esperar que eu corrigisse a manobra e desatou a buzinar (na verdade, parece-me que isto agora é moda).

O outro carro passou por mim e desapareceu rapidamente e eu fiquei a gritar sozinha porque me irritou a falta de paciência e a incompreensão da outra pessoa quando eu nem sequer estava na via a perturbar o transito!

Gritei, disse asneiras, bati com a mão no volante! …

Enfim, um espectaculozinho decadente…

 

Depois, obviamente fiquei com vergonha e a sentir-me mal comigo própria por ter tido uma explosão daquelas.

 

 

Perceber o que despoletou o momento “nem sempre zen”

 

Eu sei qual foi o gatilho para aquela reacção explosiva.

Naquele momento estava stressada por causa de uma pessoa de família muito próxima que tem uma forma de comunicar passivo-agressiva.

Como estava a tentar digerir a situação e não ligar muito ao assunto, acumulei aquela agressividade dentro de mim, que depois se veio a manifestar quando a outra pessoa me buzinou sem razão alguma.

 

 

Nem Sempre Zen – Como é que se mantém a calma no meio da confusão?

 

 

Manter a calma no meio do furacão

 

Como é que se mantém a calma no meio da confusão?

Nem todos podemos viver isolados, portanto mais vale aprender a lidar com isto de forma adequada.

 

  1. Em primeiro lugar percebes que estás no bom caminho quando acontece uma coisa semelhante ao que relatei e tu já não te identificas com aquele comportamento;
  2. Se deste espectáculo olha, paciência. Respira fundo umas quantas vezes e retoma o que estavas a fazer, sem stress;
  3. Deves tentar perceber o que é que está a incomodar-te e que faz despertar a fera que há em ti. Tudo tem uma razão de ser;
  4. Não ignores esse teu mau feitio, é teu. No entanto, podes tentar melhora-lo e usá-lo de uma forma mais adequada e produtiva;
  5. Se os outros não são gentis, generosos e educados, sê tu gentil, generoso e educado. Faz a diferença.

 

 

Abraço companheiro,

Patrícia (nem sempre) Zen

 

Partilha

4
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
AndreiaPatrícia ZenJoana Silva, Terapias D'Alma Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Andreia
Visitante
Andreia

Na verdade a vida traz nos desafios diários… é tudo o que disseste..no meu caso poe em cima hábitos completamente nojentos dos chineses, 23milhoes de pessoas numa cidade…barulho…muito barulho de todos os tipos, não so sonoros..enfim é dose. Não aguento muitas vezes e também me passo da cabeça Patrícia..fica descansada. Às vezes dou por mim a disparatar com os chineses, a gritar, chama los de tanta coisa… a sorte é que não entendem patavina do que falo… às vezes provoco os no sentido de lhes tentar ensinar educação…enfim as vezes a raiva toma conta de mim…mas acho saudável…desde que não… Read more »

Joana Silva, Terapias D'Alma
Visitante

Dou por mim a pensar nisto algumas vezes, e realmente é verdade. É tudo muito bonito quando temos poucos “estímulos” menos bons do exterior, mas depois há aqueles momentos ou dias em que tudo parece que quer testar a nossa paciência. Acredito que o primeiro passo é mesmo isso que dizes, perceber que temos um determinado comportamento e já não nos identificamos com ele, e em seguida perceber se há algo que se passa connosco que tenha despoletado este comportamento em nós. Quantas vezes eu não apresentei uma boa zona de “mau feitio” direccionada a determinada pessoa ou situação, e… Read more »

error: