Nem Sempre Zen

Desenvolvimento Pessoal & Espiritualidade by Patrícia Zen

Nem Sempre Zen

Comer melhor sai caro?

Comer melhor sai caro? É a pergunta que ainda hoje muitas pessoas fazem.

Para mim, sim.

 

Esta é a minha opinião baseada no que vou explicar a seguir.

Nos últimos anos, temos ouvido falar muito mais em alimentação saudável, alimentação vegetariana e vegan e muito graças ao surgimento de blogues como “A Cozinha Verde“, “Made by Choices” ou “Compassionate Cuisine“, entre tantos outros sites e livros sobre cozinha (mais) saudável.

Quando era criança lembro-me de ouvir a minha mãe dizer que se pudesse faria uma alimentação mais saudável com mais legumes e menos carne e peixe mas que era tudo muito caro.

 

Nem Sempre Zen - comer melhor sai caro? Um kg de cenouras para fazer uma sopa simples, à base de legumes, pode ter custos muitos diferentes.
Nem Sempre Zen – comer melhor sai caro? Um kg de cenouras para fazer uma sopa simples, à base de legumes, pode ter custos muitos diferentes.

Nessa altura já se conhecia minimamente a alimentação macrobiótica mas não havia muito acesso a informação sobre alimentação vegetariana.

Não havia internet ou redes sociais, logo os canais de difusão de informação eram bastante mais limitados.

 

Eu ainda sou do tempo em que os celíacos iam às farmácias adquirir os alimentos sem glúten. Felizmente hoje em dia há uma panóplia de produtos sem glúten disponíveis em qualquer supermercado.

Soja e tofu eram um produtos desconhecidos e os únicos legumes biológicos eram os do quintal da minha avó. Actualmente a maioria dos avós vivem nas cidades e compram legumes nos supermercados, como nós.

 

O que é comer melhor?

Quando comecei a fazer dieta, a minha nutricionista recomendou-me alguns sites e blogues de onde poderia tirar receitas saudáveis para me ajudar a planear as refeições.

E foi assim que descobri todo um mundo novo: é possível fazer refeições deliciosas e nutritivas com legumes, frutas e cereais diferentes dos produtos a que nos acostumámos desde sempre.

Eu sou uma leiga na matéria mas tenho aprendido que a dica para uma boa dieta é VARIEDADE e SIMPLICIDADE,

O problema é que, apesar de haver muito mais variedade, comer melhor continua a ser caro.

Vamos lá a ver, não é caro comprar frutas e legumes num supermercado mas comprá-los de produção biológica, como seria desejável, isso sim, já é mais dispendioso.

 

E é por isso que continuo a dizer que comer melhor sai caro.

Um quilo de cenouras para fazer uma sopa simples, à base de legumes, pode ter custos muitos diferentes. Vejamos:

Numa determinada mercearia biológica um saco de 1 quilo de cenouras de custa 2,10€ enquanto num grande hipermercado, um quilo de cenouras “normais” custa apenas 0,58€.

Nesse mesmo hipermercado, comprei beringela “normal” a 2,00€. Depois fui espreitar a zona dos produtos biológicos e o preço da beringela estava a 4,00€.

Claramente, eu escolheria os vegetais biológicos, pois, à partida, serão mais saudáveis, Mas não posso, pelo menos, de forma regular. É demasiado para o meu orçamento mensal.

Isto tudo sem falar em outros produtos como as farinhas (espelta, alfarroba, côco, etc) e os adoçantes (açúcar de coco, agave ou a geleia de arroz).

 

Nem Sempre Zen - Claramente, eu escolheria os vegetais biológicos, pois, à partida, serão mais saudáveis, Mas não posso, pelo menos, de forma regular
Nem Sempre Zen – Claramente, eu escolheria os vegetais biológicos, pois, à partida, serão mais saudáveis, Mas não posso, pelo menos, de forma regular

As opiniões de quem trabalha na área

No blog de alimentação saudável Made by Choices, Vânia Ribeiro considera que:

“Para as famílias numerosas, com baixos rendimentos e que realmente não podem comprar legumes e frutas biológicos, não há nenhum mal em compra-los no convencional. É preferível comer frutas e legumes com alguns químicos do que comida pré feita e com poucos nutrientes. Para além de terem os químicos têm outras substâncias que os potenciam.”

 

Numa entrevista, o nutricionista Pedro Carvalho refere que:

…temos muitos alimentos fracos nutricionalmente e que são mais baratos mas depende das marcas que se compra, dos locais em que se compra e das promoções que se aproveita, eventualmente”

 

Claro que os híper e supermercados é que “mandam” pois, se quiserem podem fazer com que existam nas suas prateleiras mais produtos biológicos acessíveis à nossa carteira.

 

(…) o especialista em marketing agroalimentar Rui Rosa Dias acredita que, “com uma estratégia séria, a agricultura biológica, mesmo em pequenos volumes, teria espaço para crescer e medir forças com os grandes operadores, que têm o poder de manipular os mercados”

 

Caberá a nós consumidores ter também um papel mais activo e exigir alternativas, mais produtos saudáveis e a preços acessíveis.

 

É bom para nós e é melhor para as crianças e jovens que têm o futuro pela frente que se espera que seja mais duradouro mas com merecida qualidade de vida.

 

ps: continua no proximo artigo, fique atenta/o! subscreva aqui para receber notificações dos artigos assim que são publicados.

 

Partilha
error: